sábado, 25 de abril de 2009

Matrix – Ensaios para o Novo Milênio

Monografia sobre o longa dos irmãos Wachowski

Desde o Nerdcast 156 - Matrix Repercutions, tenho recebido alguns emails de nerds curiosos sobre a monografia que fiz sobre o primeiro filme da série. Para facilitar, disponibilizo o trabalho aqui para download, para quem ainda estiver interessado.

» Clique para fazer o Download

Mas, atenção! Cuidado com as expectativas. Este é um trabalho universitário, com uma linguagem acadêmica e cheio de referências a autores restritos ao curso de Comunicação – não é nem dinâmico nem tão divertido quanto um NerdCast.

Na monografia, abordo principalmente o contexto histórico do filme, falando da pós-modernidade, do fim da ideologia e do comportamento da sociedade no começo do século XXI. Disserto também sobre a luta do indivíduo pelo discurso próprio no meio virtual, e encerro fazendo uma comparação da Matrix com a mídia, a inteligência superior e coletiva dos dias de hoje.

Para alguns que perguntaram, ‘Matrix – Ensaios para o Novo Milênio’ não chega a tocar no tema da Jornada do Herói. Mas para quem estiver interessado, volto a recomendar o livro ‘A Jornada do Escritor’, que pode ser encontrado para compra na Fnac (clique aqui para acessar a página).

Por fim, peço desculpas pelos eventuais erros de português que o documento possa ter. Entreguei o trabalho às pressas numa manhã de dezembro de 2000, e nunca cheguei a revisá-lo realmente. Mas felizmente consegui passar :-)

Espero que gostem!

23 comentários:

Atreus disse...

Ainda nem escutei o Nerdcast,mas putz pra ter a ideia de escrever uma MONOGRAFIA sobre MATRIX e ainda faze-lo,caracas-FODA.Vou dar uma lida sim.

The Gunslinger disse...

Opa!

Como ja havia lhe falado por e-mail, a monografia ficou muito boa. Totalmente nerd!!

Ai pessoal vale a pena ler. E vocês irão perceber como é uma leitura fácil, mesmo sendo um trabalho academico e isso graças ao talento do Eduardo para escrever.

Muito bom.

eduardospohr disse...

@ The Gunslinger,

Bom que gostou. Espero acrescentar alguma coisa. Abraços :-)

Anônimo disse...

Atual, interessante e motivador.
Lido e aprovado!

Daniel disse...

Olá,

sempre gostei das suas participações no nerdcast, agora, colocar uma mono no blog é para poucos!!! Haha

Meus PARABÉNS!

Sempre que falo sobre a minha mono ou meu projeto de mestrado, mesmo tentando amenizar os termos e o assunto, as pessoas olham com cara de... "wtf? o_o"

Abraços

juvena disse...

Cara,

eu não quero rasgar ceda aqui, mas o primeiro nerdcast que eu escutei foi o 156, do matrix. Pra mim cara, foi o melhor até agora porque foi aquele q mostrou uma análise com os intertextos, as influencias que sempre me influenciaram.
A parada é que quando tu começou a falar da jornada mitológica do herói, da caverna de platão, de Jung (minha área) eu falei pra mim mesmo.. tah ai uma parada q vale muito a pena ler...

abração

eduardospohr disse...

@juvena,

A Jornada do Herói é um tema que toca todos nós. Entendo o q vc quer dizer.

Curiosidade... como vc conheceu o NerdCast?

Abracos!!!

juvena disse...

Conheci o Nerdcast por um amigo na Faculdade (faço unesp em botucatu). Somos fanáticos por seriados e ele tinha as temporadas que eu não tinha. Nessa de pegar a temporada, ele me falou do nerdcast, mas só me disse assim "cara, ouça isso. Não vou nem te dizer o que é, apenas ouça!". O resto vc pode supor...

abraço

Leonardo Polon disse...

sobre a sua monografia.
primeiro uma opinião pessoal:

na parte quatro, sobre as formas de dominação em 1984, blade runner e matrix:

não que isso importe, mas o que você contou de 1984 pela leitura que eu fiz definitivamente não representa o argumento central o livro.

Não é uma guerra fria, mas uma guerra real no sentido que o próprio pais está em conflito. E não são duas grandes nações, são três (oceania, eurásia e lestásia)

e todos os três países tem a mesma ideologia,
você disse também que há um espaço para a fuga mas, o livro mostra no final...


(SPOILER)
que essa liberdade era apenas uma ilusão, e o controle ia muito além, como se o partido pudesse ler mentes.
(SPOILER)

Embora ele pudesse de fato escolher pensar, ninguem com essa atitude sobreviveria, ninguem. Alias, "duplipensar" e "crimedeter" eram truques aprendidos por todos e incorporados pelo sistema para que ninguem "pensasse errado" Eu questiono a vontade própria que eles poderia ter.

na minha opinião, o controle sobre as pessoas e o mundo de 1984 é muito mais assustador do que o de matrix ou blade runner, sério!

Leonardo Polon disse...

tenho que te explicar, que quando matrix saiu eu tinha 9 anos e fiquei completamente embasbacado. A idéias continas no filme me deram a chance de pegar nos anos seguintes livros como "matriz - bem vindo ao deserto do real"

bem no final da monografia, você cita o diálogo entre neo e morpheus sobre o destino e dele conclui a liberdade humana como uma certeza.

tudo bem que é só uma monografia, mas muitos pensadores ja gastaram um precioso tempo questionando se somos mesmos livres, não?

Eu estava esperando ver, ao invés de uma afirmativa idealista que somos livres, uma idéia que eu não sei de onde veio mas definitivamente não é original (porque nunca é)
que eu chamaria da "aposta de neo" descrita como se segue.

uma boa opção diante da dúvida do próprio livre arbítrio é assumi-la. Simplesmente não negar a liberdade e supor que "estamos condenadas à ela" (desculpa, Sartre).
Analisando as consequencia disso, vejo que é vantajoso em oposição ao pensamento de que não somos livres.

Leonardo Polon disse...

na minha opinião, a idéia citada mais interessante é da "mídia como uma força multifatorial inconsciente de controle social"

ou como você quiser enunciá-la.

Cara, acontece que eu não muito da área "humanas" e eu não saberia bem onde procurar mais a respeito.
Alguma dica pra min?

Um abraço! Gostei da sua monografia!

eduardospohr disse...

@Leonardo

Tenho algumas dicas sim. Tem alguns filósofos que falam muito sobre esse tema, como Nietzsche, Schopenhauer e Althusser (Aparelhos Ideológicos de Estado).

Caso vc ainda não tenha lido, recomendo 'O Anticristo', do Nietzsche, que tem várias discussões interessantes.

Na verdade, a obra dele que tem mais a ver com Matrix, na minha opinião, é 'A Genealogia da Moral', mas sinceramente achei um pé no saco. Já 'O Anticristo' achei bem legal.

Não sei se essas eram as dicas q vc queria. Se não for, me avisa q eu penso em outra coisa.

Valeu pelos comentários profundos, fiquei algum tempo tentando decifrá-los e digeri-los :-)

Leonardo Polon disse...

muito educado de sua parte escolher o verbo decifrar!

prometo reler o que eu escrever da proxima vez!
haha

eduardospohr disse...

O que eu quis dizer é que foi uma exposição bem complexa ;-)

As sugestões de livro ajudaram? Ou vc tinha outra coisa em mente?

Leonardo Polon disse...

"aparelhos ideológicos do estado" foram palavras chaves muito úteis, sim!

conheço o nome dos filosofos citados de outros contextos mais genéricos. As dicas definitivamente ainda serão úteis para leituras futuras.

O anticristo está bem proximo do topo da lista de livros a ler agora com essa recomendação, hehe.
Ja estava pensando nele relacionando-o ao ateísmo, sabe?

eduardospohr disse...

Bacana, Leonardo! Espero sinceramente ter contribuído :-)

Sobre o ateísmo, na verdade “O Anticristo” não toca tanto nesse assunto. A discussão central do livro é como a doutrina cristã, segundo o Nietzsche, contribui para o enfraquecimento e a involução da sociedade humana, na medida que valoriza os fracos.

Abs!!!

Leonardo Polon disse...

bom saber, não tinha essa clareza do conteúdo do livro, mas é por ai mesmo.

De ateísmo propriamente dito estou bem servido de richard dawkins, conhece?

eduardospohr disse...

@Leonardo Polon

Não conheço :-(

Leonardo Polon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Leonardo Polon disse...

Dawkins é um Ingles, ciêntista, Biologo, Ateu e velinho ja com seus 70 anos. Autor de 7 ou 8 livros sobre divulgação ciêntífica cujo o tema principal é evolução.
Mas além dos livros é sempre bem ativo como formador de opinião. Além de divulgador de ciência, é famoso como um Ateu bem radical, sagaz e nada, nada carismático. =p

Os dois livros mais famosos dele são "O gene egoísta [the selfish gene]" e "Deus, Um delírio [the god delusion]"

JuKiara disse...

Muito bom.
Fiquei curiosa para ler a monografia. Eu tenho um gosto estranho por ler trabalhos acadêmicos, kkk, será vício do doutorado?

Enfim, eu tenho uma lista de temas interessantes e inusitados em Monografias, e que deram certo. Até hoje a vencedora tem sido "Contexto literário e Psicanálise em jogos de RPG".

A sua entrou na lista, vamos ver em que posição fica XD

E livro novo? Não vem?
Abraços da Juki :)

eduardospohr disse...

Oi, Juki!

Livro novo? Olha, tem bons projetos ai em andamento, mas são ultra-secretos heheheh.

O que vai rolar agora vei ser o relançamento de "A Batalha do Apocalipse" com capa nova, apêndices e outras coisitas mais. Te mantenho informada.

Beijao!!

eltrock disse...

Impressionante seu texto, parabéns.
Incrível como Matrix pode render tanto material assim, claro que se visto por uma pessoa com esse certo "senso crítico" seu. Adorei o texto e vou mostrá-lo a amigos que gostam do universo Matrix. Depois dessa leitura com certeza vou querer ler A Batalha do Apocalipse.